quinta-feira, 31 de maio de 2018

VEGANISMO, ÉTICA E MOVIMENTOS SOCIAIS


VEGANISMO, ÉTICA E MOVIMENTOS SOCIAIS

Por Dizy Ayala
Movimentos, com base em questões éticas, culturais e ideológicas, deram início a reivindicações quanto aos direitos humanos bem como quanto aos direitos dos animais.

A evolução do pensamento que, de acordo com Naconecy (2006), está associada ao “progresso da civilização humana sob a forma de um círculo em expansão da consciência moral”.

A partir dos anos 60, passaram a ser discutidos o racismo, o sexicismo e o especismo, entre outros. Momento em que aflorou o clamor por justiça, igualdade e compaixão em contraponto à discriminação e às atrocidades cometidas na 2ª Guerra e Guerra do Vietnã.

Surgiram diversos movimentos: pela paz, pela igualdade racial, os movimentos feministas, dos homossexuais, ambientalistas e pelos direitos dos animais, entre outros. Inspirados em ícones como: Mahatma Gandhi que tornou-se um exemplo do uso da ação não-violenta, em suas manifestações pela Independência da Índia.

Martin Luther King Jr., cuja filosofia inspirada em Gandhi, defendia que todos deviam ser tratados com amor e respeito – ele que passou a ser um representante do amor universal e incondicional, valores defendidos também pelos defensores dos animais.

Inclusive, o filho, Dexter, e Corretta, esposa do Dr. King, tornaram-se veganos, ainda nos anos 90. Ou seja, a família King, e também vários de seus apoiadores, veganos, reconheceram as interseções dos direitos humanos e animais, e seus objetivos comuns.

"O veganismo me deu um nível mais elevado de consciência e espiritualidade porque a energia associada à alimentação mudou para outras áreas". Dexter declarou ao Vegetarian Times em 1995.

Em 1968, a chamada Revolución, desencadeada por estudantes franceses, chega a outros países e envolve as chamadas minorias políticas. Nessa época, o movimento feminista adota a palavra de ordem “o corpo é nosso” em alusão à independência feminina, lema que passou a ser uma bandeira inclusive para o movimento feminista vegano.

O ecofeminismo, a partir dos anos 70, passou a evidenciar a forte ligação entre a exploração da natureza e das mulheres, demonstrando a analogia entre sexismo e especismo. Na perspectiva do veganismo, “animais não existem para serem explorados pelos humanos, assim como o negro não existe para servir o branco, nem a mulher para o homem”, conforme declarou Alice Walker, autora do livro A Cor Púrpura, e feminista.

Nesta mesma época, Peter Singer, publica o livro Libertação Animal, (1975). Que destaca a discussão do especismo, a discriminação de uma espécie para outra, e propõe que os animais são dignos de igual consideração. E Tom Regan, também filósofo, autor de Jaulas Vazias (2006) defende que os animais possuem direitos, pois são “sujeitos-de-uma-vida” e que devem ser considerados como “agentes morais”.

Os dois defendem que TODOS os animais são seres sencientes, capazes de vivenciar diversas emoções, e por isso a sociedade tem o dever moral de os defender. Ambos são grandes referências para o movimento de defesa dos animais.  

Segundo Naconecy (2006), a maior parte do sofrimento a que os animais são expostos pela mão humana não ocorre pela crueldade e sim pelo uso sistêmico, considerado normal e socialmente aceito.

Exemplo disso é relatado por Alex Hershaft, sobrevivente do campo de extermínio de Auschwitz, que tornou-se ativista pelos direitos dos animais e fundador da FARM (Movimento dos Direitos Animais de Fazenda nos EUA):

"Notei muitas semelhanças entre a forma como os nazistas nos trataram e como nós tratamos os animais, especialmente aqueles criados para alimentação. Entre elas estão o uso de vagões para transporte; o tratamento cruel diante ao iminente abate, a eficiência de processamento, destacamento emocional dos autores, e as pilhas de partes do corpo sortidas".

De acordo com ele a opressão de qualquer ser vivo senciente deve ser erradicada ”onde quer que eleve sua cabeça feia” tanto para seres humanos como não humanos. “É tudo parte da mesma luta”.

Por certo que nos dias de hoje ainda presenciamos, infelizmente, manifestações retrógradas quanto às diferenças. Principal causa, no passado e, ainda hoje, dos mais terríveis conflitos que a história nos conta. Também o especismo permanece. Sempre que haja a crença em uma “superioridade” para justificar a crueldade infligida ao oprimido.


“Os melhores reformadores”, todos os que primeiro se opuseram ao tráfico de escravos, a guerras nacionalistas, à discriminação de mulheres e à exploração do trabalho de crianças, - “todos foram considerados excêntricos” por aqueles que tinham interesses na exploração. (SINGER, 2004).

Na última década, houve uma grande mudança quanto à formação de dezenas de novos grupos de Defesa dos Animais, o que aumentou e muito, a consciência das pessoas com relação a “imensa e sistemática crueldade praticada na produção intensiva, nos laboratórios, nos circos, nos zoológicos e na caça”.

Particularmente, com o advento das mídias digitas é possível comunicar campanhas em defesa dos animais, o empreendedorismo, com novos produtos, alimentação saudável e eventos culturais a um número cada vez maior de pessoas. Para o movimento pelos direitos dos animais, a contribuição de cada pessoa é relevante, de variadas formas.

Vários grupos constroem movimentos sociais com valores que vão gerar consciência e reflexão acerca das nossas escolhas. Escolhas que irão movimentar a cidadania, a cultura, a economia e novas diretrizes mundiais com impactos globais.

Dizy Ayala

Blogueira, Revisora, Escritora, Vegana.
Formanda em Publicidade e Propaganda -  
Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos
Páginas no facebook
Uma Escolha pela Vida
Ação pelos Direitos dos Animais  

Faça parte você também da construção de um mundo mais compassivo, 
com maior qualidade de vida, respeito ao meio ambiente 
e as outras espécies que o dividem conosco.

Adquira o seu exemplar de Uma Escolha pela Vida 
através do e-mail dizyayala@gmail.com ou pelo Whats App (51) 981085255
e nas livrarias SARAIVA, CULTURA e VANGUARDA.

Mais infirmações no link



Nenhum comentário:

Postar um comentário