sábado, 30 de dezembro de 2017

Lançado no Youtube o filme Vegan 2017, com uma retrospectiva do ano


Lançado no Youtube o filme Vegan 2017
com uma retrospectiva do ano
Por Dizy Ayala

O documentário é uma produção norte-americana do grupo Plant Based News que apresenta vários momentos relevantes acerca da expansão do veganismo no ano de 2017, da parte de celebridades, influenciadores digitais, personalidades, protetores, ativistas, ambientalistas, médicos, nutricionistas, chefs e cientistas, dentre outros.

Essa amplitude do tema, segundo o filme, faz do ano de 2017, um divisor de águas na visibilidade, discussão e adesão ao veganismo, o que nos enfatiza que não se trata de uma dieta ou apenas modismo, e sim uma forte tendência a nortear muitos dos aspectos de nossas vidas daqui pra frente, em relação a questões de consumo e comportamento, na construção de um mundo mais sustentável, saudável, tecnológico e compassivo nas relações entre humanos e animais.

Confira!



Dizy Ayala


Blogueira, Revisora, Escritora, Vegana.
Formanda em Publicidade e Propaganda -  
Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos
Páginas no facebook
Uma Escolha pela Vida
Ação pelos Direitos dos Animais  
dizyayala@gmail.com





Este e outros temas estão presentes na obra Uma Escolha pela Vida.
Adquira o seu exemplar e faça você também um consumo consciente 
com maior qualidade de vida, respeito ao meio ambiente 
e as outras espécies que o dividem conosco.

Informações no link

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

A verdadeira face de "O Rei do Show" que por mais de um século explorou humanos e animais


A verdadeira face de "O Rei do Show" que por mais de um século explorou humanos e animais 

Por Dizy Ayala

P.T. Barnum, referenciado no filme O Rei do Show, foi fundador do Ringling Bros. and Barnum Bailey Circus, criado nos Estados Unidos em 1871 e promovido ao longo de mais de meio século como o “Maior espetáculo da Terra”.
CARTAZ PROMOCIONAL
O fato é que o tal espetáculo consistia de inúmeras apresentações com diversos animas. E já é amplamente difundido o quanto os animais de circo são expostos à crueldade e submetidos à força para realizar atividades que não são próprias de seu comportamento,  com a privação de sua liberdade e direito de viver em seu habitat natural.
IMAGEM REAL DO CIRCO RINGLING BROS
No Ringling Bros, assim como em outros circos, os animais eram frequentemente açoitados, humilhados e privados de qualquer vestígio de dignidade. Para que um espetáculo acontecesse diante do público, muita dor e sofrimento ocorriam no bastidor.
IMAGEM REAL DO CIRCO RINGLING BROS
Afora explorar várias especies animais, desde elefantes, leões, macacos, ursos até camelos, o Ringling Bros. tinha, desde sua fundação, o histórico de explorar o que considerava: bizarrices dentre humanos.




'No início de suas atividades, o circo era famoso por seu espetáculo de "bizarrices". De fato, P.T. Barnum, chamado de o "príncipe dos charlatões", não hesitou em exibir gigantes da Islândia, mulheres da Patagônia, anões, serpentes do mar e até uma "sereia de Fiji", que na verdade era um dorso de macaco com uma calda de peixe costurada.

Barnum teria criado o circo de três arenas e sido um dos primeiros a usar a eletricidade. O Ringling Bros. and Barnum and Bailey Circus encerrou suas atividades em janeiro de 2017, depois de 146 anos de exploração animal. Foi alvo da proteção animal que resultou, desde 2015, na proibição judicial de usar elefantes em suas apresentações.

Não é possível continuar a referir-se à prática de maus-tratos como entretenimento.


Saiba mais sobre as práticas cruéis, comuns em circos

Circos com Animais e a Tirania do Riso
http://acaopelosdireitosdosanimais.blogspot.com.br/2016/02/circos-com-animais-e-tirania-do-riso.html


Pode também interessar 
Pelo Fim dos Zoológicos e Aquários no Mundo
http://acaopelosdireitosdosanimais.blogspot.com.br/2015/10/pelo-fim-dos-zoologicos-e-aquarios-no.html

Dizy Ayala


Blogueira, Revisora, Escritora, Vegana.
Formanda em Publicidade e Propaganda -  
Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos

Páginas no facebook

Uma Escolha pela Vida
Ação pelos Direitos dos Animais  
dizyayala@gmail.com




Este e outros temas estão presentes na obra Uma Escolha pela Vida.
Adquira o seu exemplar e faça você também um consumo consciente 
com maior qualidade de vida, respeito ao meio ambiente 
e as outras espécies que o dividem conosco.

Informações no link

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Alimentação de origem vegetal contribui para salvar o planeta, afirma carta assinada por mais de 15 mil cientistas


Alimentação de origem vegetal contribui para salvar o planeta, afirma carta assinada por mais de 15 mil cientistas

        Promover uma alimentação livre de produtos de origem animal é um dos passos referenciados por cientistas de todo o mundo como forma de combater a destruição do meio ambiente e a extinção de espécies.

Essa recomendação está contida em uma carta assinada por 15.364 cientistas de 184 países que alerta sobre as principais ameaças ao planeta, que, segundo a publicação, estão piorando.

A carta foi chamada de alerta dos cientistas do mundo para a humanidade: um segundo aviso, e foi publicada na revista acadêmica Bio Science.

Na verdade, esta é a segunda vez que o alerta foi publicado. A primeira versão foi emitida em 1992, pela Union of Concerned Scientists com a participação de 1.700 especialistas.

Com um aumento de 35% na população mundial, nos últimos 25 anos, a ação humana é diretamente apontada na degradação do meio ambiente. 

Dentre as grandes ameaças estão o aquecimento global gerado pelas constantes emissões de carbono geradas pelo uso de combustíveis fósseis e também pelas práticas agrícolas não sustentáveis, como o desmatamento, amplamente utilizadas pela produção de alimentos destinados aos animais considerados de consumo. A escassez de água doce, as crescentes zonas mortas dos oceanos com a perda de vida marinha pela  atividade da pesca.

“Desencadeamos um evento de extinção em massa, o sexto em cerca de 540 milhões de anos, em que muitas formas de vida atuais podem ser aniquiladas ou, ao menos, estar fadadas à extinção até o final deste século”, afirma a carta.

Nesse sentido, toda iniciativa conta e é preciso agir agora! Faça parte você também da mudança!

Saiba mais sobre uma alimentação saudável, sem carne, no link
http://acaopelosdireitosdosanimais.blogspot.com.br/2017/03/conheca-as-4-dicas-para-uma-alimentacao.html



Dizy Ayala

Blogueira, Revisora, Escritora, Vegana.
Formanda em Publicidade e Propaganda -  
Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos
Páginas no facebook
Uma Escolha pela Vida
Ação pelos Direitos dos Animais  
dizyayala@gmail.com






Adquira seu exemplar da obra Uma Escolha pela Vida 
e faça você também um consumo consciente 
com maior qualidade de vida, respeito ao meio ambiente 
e as outras espécies que o dividem conosco.

Informações no link


quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Proteína de soja: um verdadeiro coringa para inúmeras receitas. Experimente!



Proteína de soja: um verdadeiro coringa para inúmeras receitas. Experimente!






A chamada proteína de soja ou PTV é soja texturizada apresentada em duas formas, fina ou graúda, e é um verdadeiro coringa para várias preparações culinárias.


O preparo da proteína de soja é muito simples. Basta untar a panela com um fiozinho de óleo, acrescentar a proteína e se preferir adicionar alho e cebola para dar aquela tostadinha. Tem de mexer porque tosta muito rápido, pra não queimar. Em seguida, adicione água na mesma proporção da proteína. Quando levantar fervura, adicionar molho de tomate, sal, orégano ou o que mais desejar, costumo colocar uma pitada de cúrcuma também. Cozinhar por volta de oito minutos e está pronto. Vale verificar a quantidade de água e testar com o garfo, se ainda não estiver macio, basta acrescentar mais um pouquinho de água e cozinhar até que fique macio. 

A proteína de soja é ideal para as mais variadas receitas, inclusive de estrogonofe, adicionando mostarda e creme de leite de soja (caixinha da Soy que tem no supermercado) ou com leite de coco.

Informação nutricional: comparando com as demais (do trigo, do leite, dos ovos e da carne), observa-se que a proteína de soja contém maiores quantidades dos aminoácidos anabólicos, arginina e glutamina, além de apresentar grandes quantidades de aminoácidos de cadeia ramificada (isoleucina, leucina e valina).


Bom apetite!

Dizy Ayala

Blogueira, Revisora, Escritora, Vegana.
Formanda em Publicidade e Propaganda -  
Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos
Páginas no facebook
Uma Escolha pela Vida
Ação pelos Direitos dos Animais  
dizyayala@gmail.com






Adquira seu exemplar da obra Uma Escolha pela Vida 
e faça você também um consumo consciente 
com maior qualidade de vida, respeito ao meio ambiente 
e às outras espécies que o dividem conosco.

Informações no link


segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Canadá lança novo guia para alimentação que exclui laticínios e enfatiza alimentos vegetais


Canadá lança novo guia para alimentação
que exclui laticínios 
e enfatiza alimentos vegetais

Por Dizy Ayala

Novas recomendações para uma alimentação saudável foram publicadas pelo governo canadense com ênfase na importância de se incluir uma “proporção elevada de alimentos à base de vegetais”. Os vegetais, portanto, foram colocados em uma categoria acima dos alimentos de origem animal.

O guia ressalta a importância dos grãos integrais e que esses são a melhor fonte de proteína. A recomendação é a de uma “ingestão regular de vegetais, frutas, grãos integrais e alimentos ricos em proteínas, especialmente fontes de proteína baseadas em vegetais”.

Há também um incentivo para que as pessoas deixem de consumir produtos de origem animal, substituindo as gorduras saturadas, presentes nesses alimentos, pelas chamadas gorduras insaturadas, provenientes de alimentos vegetais, particularmente as oleaginosas (castanhas, amêndoas, gergelim, linhaça, óleo de oliva e de girassol, entre outros) que são saudáveis e benéficas para o organismo.
Ainda de acordo com as diretrizes, as pessoas são estimuladas a beber água e eventualmente, sucos naturais de fruta. O leite e seus derivados foram retirados do guia, tendo em vista estudos recentes que o apontam como um alimento de risco.
Saiba mais aqui
Laticínios não fazem parte de uma alimentação saudávelhttp://acaopelosdireitosdosanimais.blogspot.com.br/2015/06/laticinios-nao-fazem-parte-de-uma.html
Por fim, o guia destaca que “as dietas com mais alimentos à base de vegetais estão associadas a um menor impacto ambiental”, uma vez que a produção de alimentos está intimamente relacionada ao meio ambiente.  A produção de produtos de origem animal é reconhecidamente a principal causa de degradação ambiental e das mudanças climáticas, por conta das emissões de gases de efeito estufa, a degradação do solo, poluição e escassez da água, desflorestamento, a morte de animais silvestres, entre outros.
As diretrizes do guia alimentar do Canadá, com foco na alimentação saudável, estão baseadas em estudos e pesquisas que apontam para evidências de saúde humana. Portanto, foram desconsiderados dados apresentados pela indústria.

Matéria redigida a partir de dados publicados no Huffington Post.

Dizy Ayala

Blogueira, Revisora, Escritora, Vegana.
Formanda em Publicidade e Propaganda -  
Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos
Páginas no facebook
Uma Escolha pela Vida
Ação pelos Direitos dos Animais  
dizyayala@gmail.com






Adquira seu exemplar da obra Uma Escolha pela Vida 
e faça você também um consumo consciente 
com maior qualidade de vida, respeito ao meio ambiente 
e às outras espécies que o dividem conosco.

Informações no link

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Vaca sagrada? Investigação revela a crueldade nas fazendas de laticínios na Índia.


Vaca sagrada?
Investigação revela a crueldade nas fazendas de laticínios na Índia.

Por Dizy Ayala

Investigação feita pela organização de proteção animal Pune Animal Equalite, ao longo de dois anos, revela a crueldade contida em um copo de leite.

Foram registrados o manejo feito por homens sem preparo técnico, usando equipamentos não esterilizados nos processos de inseminação (que é quando fecundam as vacas forçadamente através da introdução de cilindros em seus genitais). Também casos recorrentes de espancamento de animais, com varas e correntes, e bezerros afastados das vacas com apenas dias de nascimento. Nada de incomum para a terrível realidade da indústria do leite em todo mundo.

Aproximadamente 107 fazendas, dois centros de coleta de sêmen, 11 mercados de bois e vacas, oito matadouros, sete mercados de carne e cinco curtumes em Haryana, Punjab, Telangana, Kerala, Tamil Nadu, Karnataka, Uttar Pradesh, Gujarat e Maharashtra foram investigados.


As práticas nestes locais violam a Lei de Prevenção de Crueldade contra Animais (PCA), de 1960, as Regras de Transporte, de 1978, as Regras do Matadouro, de 2001, e diversas ordens do Supremo Tribunal.

O que chama a atenção é que tais práticas na Índia, como em qualquer outro país, estão na contramão do mercado, tendo em vista a queda acentuada no consumo de leite e seus derivados. Sem contar que a cultura deste país é mundialmente conhecida por considerar a vaca como sendo sagrada, portanto digna de cuidados especiais. Esta é a questão chave a ser refletida quanto à exploração animal, seja em que lugar e de que forma for.

Não há bem estarismo na exploração de animais, somente práticas menos ou mais cruéis. O fato é que sempre haverá dano. E é sabido, hoje em dia, que a fantasia da fazendinha feliz não existe. “Eles são torturados diariamente. Na natureza, o gado pode viver até 20 anos. Essas práticas cruéis fazem com que seus corpos se deteriorem em apenas quatro anos”, declarou Amruta Ubale, diretora executiva da Animal Equality.

De acordo com o departamento de pecuária, laticínios e pesca, a Índia possui 327 milhões de bois e vacas, o maior número do mundo. De acordo com o Hindustan Times, o governo fez um investimento para atender uma demanda nacional de 150 milhões de toneladas de leite de 2016 e 2017, e pretende aumentar para 210 milhões de toneladas até 2021.
Segundo a matéria, um funcionário do alto escalão do Ministério do Meio Ambiente Sindical disse que as diretrizes são estabelecidas pela Lei de Prevenção de Crueldade contra Animais, de 1960, mas o departamento de pecuária é que faz o monitoramento. Um absurdo. Tendo em vista que para a indústria interessa apenas o lucro.

Para que o leite possa servir aos humanos, vaca e bezerro são apartados e o bezerro costuma ser descartado (deixado pra morrer) ainda bebê. Em fazendas leiteiras, ou segue para a produção do baby beef ou, como novilho, vive por no máximo seis meses para então ser morto. A vaca será explorada por volta de quatro anos, até que siga para o abate para consumo de carne e couro. Portanto, não há consumo de leite e seus derivados (queijo, iogurte, milkshake) de origem animal, sem sofrimento e morte.


Por conta de um número crescente de pessoas que optam por produtos de origem vegetal, seja pela consciência animal, questões alimentares ou intolerância, uma vez que esses produtos estão carregados de insumos (hormônios e antibióticos) nocivos à saúde, sendo a razão de várias doenças, há várias opções no mercado de leites, iogurtes e queijo vegetais. Não seja cúmplice da crueldade. Você pode também preparar em casa. Confira no link http://acaopelosdireitosdosanimais.blogspot.com.br/search?q=leites+vegetais

Sua saúde e as vaquinhas agradecem!




Matéria editada, com considerações próprias da redatora, a partir de informações publicadas pela ANDA (Agência Nacional de Direitos Animais) da matéria original publicada por Hindustan Times.

Pode também interessar

Pesquisas apontam queda no consumo de leite

Conheça dicas para uma alimentação saudável sem derivados de origem animal

A revolução do couro vegetal e as griffes de ponta